Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Jardim Secreto

O Jardim Secreto

30
Abr17

Desafio: De Tudo um Pouco

A fofinha Simple Girl, do blog "Don't Forget to be Awesome", desafiou-me a responder a onze perguntas, que farei com todo o gosto, pois como já devem ter reparado, gosto muito de fazer desafios aqui no blog!

 

As regras são:

Responder às 11 perguntas

Indicar 11 blogs parar responder à tag

Colocar o selo da tag

Colocar o link de quem te indicou 

 

 

1. Qual o seu estilo de música preferido? Sinceramente, gosto de tudo um pouco. O que ouço depende muito do meu humor e do que apetece ouvir. Mas se tivesse mesmo, mesmo que escolher seria pop e indie.

 

2. Que peça de roupa é a sua preferida do momento? Vestidos! Ultimamente tenho adorado usar vestidos! 

 

3. Qual dos seus vernizes são mais divos? Com tantos vernizes que tenho, é díficil escolher os que são mais "divos"! Eu sou a louca dos vernizes! 

 

4. Shorts ou saia e porquê? Hum... Depende da ocasião e do estilo que pretendo obter! Mas talvez shorts, uma vez que são mais práticos.

 

5. Cabelo liso ou encaracolado? Encaracolado, os meus caracóis naturais sempre! E por mim até podia ser mais encaracolado...

 

6. Salto ou sapatilha? Sapatilhas. Práticas, confortáveis e vão bem com tudo.

 

7. Brigadeiro ou gelado? Brigadeiro.

 

8. Doce ou salgado? Doce.

 

9. Como você define o seu estilo? Prático, porém feminino, com um toque de trendy. 

 

10. Você é do tipo consumista ou só compra o básico? Nem um nem outro. Algures no meio.

 

11. Você se considera vaidoso? Sim!

 

Blogs nomeados: Há Mar em Mim, Happiness is Everywhere, Call Me Irresponsible, E se eu pedir com jeitinho, A Miúda Requintada, Lost Mind, (Sinónimo) de Carmezim, mami, Reading Papers, A Neta da Luísa,Chic'Ana

22
Abr17

Opinião # 9 - 13 Reasons Why

Sinopse: Thirteen Reasons Why é conarrada por Clay Jensen, um rapaz que ao regressar um dia da escola, encontra na porta de sua casa um misterioso pacote com seu nome. Dentro, ele descobre várias cassetes.O rapaz ouve as gravações e se dá conta de que elas foram feitas por Hannah Baker, uma garota que cometeu suicídio duas semanas atrás. Nas fitas, Hannah explica que existem treze motivos que a levaram à decisão de se matar. Clay é um desses motivos. Agora ele precisa ouvir tudo até o fim para descobrir como contribuiu para esse trágico acontecimento.

Trailer aqui

 

A minha opinião: Já ando a assistir a esta série há um par de semanas, mas só hoje tive oportunidade de ver até ao fim. É uma série que está a fazer um grande furor e que tem uma óptima classificação. Baseada num livro com o mesmo título, 13 reasons why aborda temas aos quais, na minha opinião, nem sempre é reconhecida a importância e gravidade necessária. Temas como o bullying, a solidão, a violação, a invasão de privacidade, má condução e falta de dever cívico e, por fim, o tema principal: o desespero que leva ao suicídio.

Não é uma série leve, a que assistimos de modo indiferente. É uma série emocionalmente pesada, com cenas bastante fortes, que nos faz pensar, no que já fizemos e no que já nos fos feito, e como tais atitudes podem interferir com a vida de alguém ao ponto de essa pessoa deixar de ter vontade de viver.

É uma história, também, sobre aqueles que ficam de fora, a lidar com a sensação de perda de alguém, de impotência: os pais de Hannah, o rapaz que estava apaixonado por ela, os seus amigos e até mesmo aqueles que a trataram mal.

Na minha opinião, é uma série que faz todo o sentido todas as pessoas, em particular adolescentes e pais de adolescentes, verem. Digo mesmo que devia fazer parte do plano curricular a partir do 10º ano assistir essa série. 

19
Abr17

Livro aberto

Ela dizia o que lhe ia na alma. Ali não havia filtro nem meias verdades. Bom ou mau, ela dizia o que pensava.

Muitas vezes arrependia-se depois. Era transparente, ela. Não escondia o que sentia ou o que pensava. Era um livro demasiado aberto que precisava de ficar entreaberto, quase fechado. Ela precisava de ser um pouco mais misteriosa, um pouco mais difícil, um pouco mais reservada. Mas não havia volta a dar. Ela era o que era. 

Uma menina que se esqueceu de crescer. Alguém que já vivera mais do que os seus anos. Alguém com sonhos sobre finais felizes, mas que perdera a esperança na existência de pessoas boas, que a fizessem sorrir em vez de chorar.

Tanto guardara dentro de si, que agora dizia o que lhe ia na alma. Ali não havia filtros nem meias verdades. Bom ou mau, ela dizia o que pensava.

E quem não gostasse assim, ela entregava, de luva branca, um convite para sair da sua vida. 

18
Abr17

Como um bom vinho

Não agrado a todos, e nem todos me agradam. 

Sou para ser saboreada devagarinho, como um bom vinho. Mas tal como alguns vinhos, não sou para todos os palatos.

Tudo o que peço, é que o que venha que seja bom e que me faça feliz, porque se não for para me fazer feliz então mais vale não vir de todo. E caso venha, melhor não ficar. 

Pág. 1/4